O Google Reader como conhecemos está próximo do fim

Ícone de monitor com RSS dentro.

RSS é uma tecnologia que, embora pra lá de útil e presente na vida de todos, em sua forma pura é usada por pouca gente. No Gemind talvez os resultados sejam diferentes devido à segmentação do nosso público, mas se você perguntar à base de leitores de qualquer site, verá que a proporção de leitores de feed/visitantes é ínfima.

Apesar de toda a praticidade, essas três letrinhas mágicas ainda inspira dúvidas e uma falsa sensação de dificuldade. Antigamente, até poderia ser; hoje, qualquer site decente entrega conteúdo por esse protocolo e, nos sistemas, os agregadores de feeds, o recurso de “descoberta” deles é bem competente — em outras palavras, não é preciso nem saber o endereço do feed.

Bem ou mal, o RSS está longe de morrer. Sabe os links automáticos de posts para Twitter, Facebook e basicamente qualquer outro site/serviço? São todos extraídos desses arquivinhos em XML. RSS virou tecnologia de bastidores, e não há nada de errado com isso.

O que me incomoda é a pretensão do Google de achar que por só geek usar o Reader, ele não tem seu valor, afinal só isso justifica as futuras mudanças pelas quais o serviço passará. Em suma, além do visual herdado do Google+ e já acessível via Gmail/Maps/Docs, todas as funções sociais que conhecemos serão perdidas. Ou melhor, substituídas pelo Google+.

Ícone do Google Reader.Não encare o Google Reader como um “Facebook killer” porque não é o caso. A camada social dele é tão sutil e bem feita que é como o Gmail, ou o bom técnico de futebol: faz seu papel bem, sem incomodar ou chamar a atenção. E justamente por ser social, por estar suscetível ao temperamento e comportamento humano, muito surpreende (positivamente!) o estágio que ela seja tão madura.

Nisso, vejo no Reader uma variação menos pesada da filosofia “antissocial” que Marco Arment implementou no Instapaper — ainda que isso tenha sido uma conquista involuntária, ao acaso, do Google. Em ambos os serviços as conexões entre usuários não são forçadas, as ferramentas de compartilhamento são limitadas na medida exata e a filtragem funciona. Onde mais você consegue isso hoje em dia? No Facebook, com a nova avalanche de fetos abortados, animais mal tratados e frases piegas de indignação contra os políticos? No Google+, com seu zoológico de GIFs animados? Veja, é bem difícil.

Mas nada disso importa e, nas próximas semanas, quando o Google liberar o novo visual do Reader, adeus funções sociais, bem-vindo Google+. O que é uma pena e impactará diretamente o meu trabalho e lazer; dos itens compartilhados de gente nota dez, como Fabio Bracht, Daniel “Magaiver” Berton, Felipe Cepriano, Rafael Rigues e tantos outros, vêm várias das inspirações e fontes para posts daqui, bem como itens curiosos e divertidos.

Talvez o sistema continue me permitindo acompanhar esses caras de forma similar à que faço hoje, mas na melhor das hipóteses será num ambiente com muito mais ruído. Outra saída pode ser o surgimento de um novo player, aproveitando-se da abertura do Google que permitirá a exportação de todo o conteúdo/configurações dos usuários, como itens compartilhados, amizades etc. Olha aí a chance!

O Reader, um dos serviços mais esquecidos do Google, finalmente ganhará novidades, mas se isso será bom ou ruim, só o tempo dirá — os prognósticos são, como visto e infelizmente, bem desanimadores…

Marcados com: , , ,
Publicado em Editorial
20 comentários sobre “O Google Reader como conhecemos está próximo do fim
  1. Luiz Alberto disse:

    Aguardo uma compilação de alternativas ao Google Reader. Pq ter que ter um perfil no Google Plus pra usá-lo é pedir demais pra mim.
    Já estava com vontade de fazer isso a muito tempo. Agroa o próprio google me força a isso.

  2. m2ramos disse:

    Pena! Só leio blogs, incluindo este, via Google Reader, mesmo no iPad através do Flipboard. Espero que apontem sugestões aqui nos comentários.

  3. hiltongil disse:

    Concordo com o M2RAMOS, acompanho os blogs e sites de noticia pelo reader, ele agrega tudo em um só lugar. Uso o fullrss para os blogs que tenho mais interesse e deixo o rss (capado) para os de menor importância. O Google deveria requerer sugestões/fazer uma consultar para mudanças no google reader. Algo que seria bem útil – ao menos para mim – seria uma opção de auto-rolagem. Isso facilitaria sobremaneira a verificação dos feeds de canais de noticias que ficariam “passando”. Aliás, alguém sabe algum programa/serviço que faça isso?

  4. André disse:

    Pelo que entendi, a função básica do Reader (indexar conteúdo via RSS) será mantido, o que é ótimo para mim. Funções sociais? Passei muitos e muitos anos sem depender de links dos famosos-quem. Acho que posso continuar sem isso. Pessoal parece que morre se não tiver “orkuts-like” ou G+, ou o Wave (lembram-se dele?) ou o que for.

    Fora isso, programa para ler RSS é o que não falta por aí.

  5. Luiz Alberto disse:

    O Pulse seria uma ótima saída. Ele tem apps para Android, iOS, e para Windows Phone. O problema é que ele não tem uma versão web. So poderia ler meus feeds nos dispositivos, e não no Pc. Um versão web ou um cliente desktop seria excelente.
    Até agora os mais interessantes que eu encontrei foram o NewsBlur e o Netvibes.

  6. É agora que os círculos tem a chance de mostrar que é útil, ele está ai exatamente para evitar esse problema crônico de falta de conteúdo útil e sobra de inútil nas redes sociais.

    Acho que essa integração será um problema maior para as pessoas que são completamente avessas a redes sociais, mas para quem já tem um perfil no plus não trará muita dor de cabeça.

    De qualquer forma, essa neura de socialização na tecnologia já está chegando no limite, até o Parallels pediu para eu compartilhar no Facebook que eu criei uma nova VM!

  7. Rodrigo Fante disse:

    Pois eu pelo contrário estou aguardando ansioso esse integração com o Google+, é um saco ter que deixar mais uma aba aberta, quanto mais integração, melhor.

  8. Felipe Lima disse:

    Depois do Gmail, o Reader é o serviço que mais utilizo do Google.

    Única coisa que gostaria é compartilhar os post de maneira mais fácil, tipo compartilhar notícia no Facebook, Twitter, etc…

    Se for só isso, tudo bem!

    att

  9. Alisovsky disse:

    Isso me parece um atitude bem desesperada para empurrar o Google Plus (ops!) nos usuário.

  10. maranhao disse:

    70% ou mais do conteúdo que vejo na internet provém dos feeds que eu assino no Reader. Além disso, a principal vantagem de tablets para mim é a possibilidade de eu ler meus feeds confortavelmente em qualquer lugar e posição, façanha que não consigo com o notebook.

    Se o Google Reader como eu gosto acabar, aí é certeza que migrarei para o Reeder, Pulse, Flipboard, Feedly… ou qualquer outra coisa do gênero. Já até me preveni: backup de todos os feeds assinados.

  11. Fernando disse:

    não viu nem como vai ficar e já tá falando como se fosse ficar ruim apenas pelo pouco do que foi dito no blog oficial.

    “mas na melhor das hipóteses será num ambiente com muito mais ruído”; e a premissa dos círculos conta pra ser comentado aqui? alías, com o fragmento abaixo

    “Em ambos os serviços as conexões entre usuários não são forçadas, as ferramentas de compartilhamento são limitadas na medida exata e a filtragem funciona. Onde mais você consegue isso hoje em dia? No Facebook, com a nova avalanche de fetos abortados, animais mal tratados e frases piegas de indignação contra os políticos? No Google+, com seu zoológico de GIFs animados? Veja, é bem difícil..”
    Com exatamente a fusão “reader” (bom conteúdo como voce mesmo disse) + “Plus” já não é o contrário disso que podemos supor que há de intenção???

    Eu já vinha pensando isso, mas com esse post deu pra ter certeza que você torce, com certa emoção, contra o google… normal. (além do post falando bem do Gmail.. como querendo dizer “o google tinha que ter uma qualidade..”)

    • A mim ficou bastante claro, pelo post no blog oficial, que o Reader mudará profundamente. Senão, vejamos:

      “We think the end result is better than what’s available today, and you can sign up for Google+ right now to start prepping Reader-specific circles. We recognize, however, that some of you may feel like the product is no longer for you. That’s why we will also be extending Reader’s subscription export feature to include the following items. Your data belongs to you, after all, and we want to make sure you can take it with you.”

      Não me surpreenderei, inclusive, se acabarem com o Reader à parte, se diluírem ele inteiro dentro do Google+. E, na boa, leitura de feeds é uma coisa, rede social, outra.

      Eu? Torcer contra o Google!? Ah, sem chance. Longe de mim “torcer” para empresa (a menos que eu invista em alguma). Eu comento, apenas. E torço, sim, para que elas tomem direcionamentos condizentes com o “core business” de cada uma. Nunca escondi que, embora simpatize com algumas partes, acho o Google+ uma gigantesca bogagem (mal feita ainda por cima), mas entre ter uma opinião e torcer contra, existe um abismo. Do Google eu uso Gmail, Reader, GTalk, busca e Android. Não odeio ninguém, nem pessoas, quiçá empresas ;-)

      []‘s!

      • Fernando disse:

        Quando eu digo isso é muito mais por achar que isso venha a atrapalhar o seu trabalho, sua reputação. De verdade mesmo que eu sinto isso: quando você fala do google normalmente são opniões negativas.. ou fala bem, mas de uma forma a parecer uma agulha no palheiro das grandes porcarias da empresa. Desculpe a sinceridade, mas já pensei muito em como eu poderia está enganado em não ver uma certa tendenciação da sua parte.. rsrsrs. mas a gente sempre pode se enganar, né?!

        Sobre “Torcer” não ficou claro da sua parte. primeiro voce disse que não, depois que sim, no que toca ao “core business”, e isso me remete a um comentário seu…

        outro dia desses eu fiquei de replicar sobre uma opnião sua sobre o google plus e findei por não fazer, num comentário seu no Giz… Aliás, o farei agora, estou com tempo.. qualquer coisa você receber um alerta por email ou coisa assim.

        • Poxa, convenhamos: dentre as centenas de produtos do Google, poucos são os que se destacam, não? É o mal de atirar para todo lado, acaba saindo muita coisa ruim. Caso similar são os celulares da Nokia, lançados em pencas e, no geral, sem o devido cuidado que todo lançamento merece.

          Gosto de ver novos concorrentes surgindo, mas não quando é feito às pressas apenas para (tentar) tapar um buraco. É essa a sensação que tenho vendo o Google+. Uso o serviço quase todos os dias, mas não parece que irá emplacar. Sei lá, posso morder a língua lá na frente (como já o fiz outras vezes), mas no estado atual e com as perspectivas que se formam, ele pode até durar, mas não vai arranhar a popularidade do Facebook…

          []‘s!

          • Fernando disse:

            já vi voce elogiando Gmail, Google Reader, Google Maps. Já são 3 serviços do Google (além do search…) além disso tem o Docs, o Chrome.. não seja tão mal. tudo tem haver, em maior menor grau com busca..

            Sobre o Plus-facebook (lançamento tapa buraco) eu te respondi algo aqui:
            http://goo.gl/nLRYG

          • Mas, mas, mas… eu não estou dizendo que o Google é ruim :-P . Longe disso, alguns dos seus produtos eu adoro e uso todos os dias.

            []‘s!

  12. Wallacy disse:

    Eu acho justamente ao contrario. A função “social” do Reader é boa sim, porém ao mesmo péssima para encontrar novos “bons compartilhadores”.

    Além do mais a filtragem do Google+ está anos luz na frente do Facebook e companhia. Lembre-se que o Google+ possui o Sparks que nada mais é que um “Reader”. E ele não atrapalha nada, você clica em uma categoria no Sparks e pronto, está lá o conteudo filtrado, sem misturar com o resto.

    O mesmo para os Círculos. É para isso que eles existem, eu mesmo tenho um circulo de “Seguintes”, que coloco pessoas da qual quero ver os compartilhamentos, quase todo dia abro o G+ e clico nesse circulo e vejo as coisas que ESSE GRUPO compartilhou. Não entendo como você pode achar que os tais “gifs” ou similar vai atrapalhar isso. Quem compartilha bom conteúdo vai continuar compartilhando, e desde o inicio o G+ já possui uma forma conveniente para separar o joio do trigo.

    Fora que as vezes as pessoas se esquecem que foi os Jornalistas que trataram o Google+ como rede social apenas, eles sempre deixaram claro que ele seria o “priprio Google”, um agregador de serviços do Google e o subistituto do Google+, a parte social do G+ sempre foi um mero detalhe.

    Antes tinhamos centenas de produtos do Google que deviam ser acessados cada um em seus respetivo site/lugar. Vejo o Google+ só uma interface mais organizada para acessar esses mesmos muitos serviços de forma integrada. O +Photos é um zilhão de vezes melhor que Picassa pela integração, o Circles é quadrilhões de vezes melhor que o Google Contacts, o Sparks mesmo sem RSS já era muito bom se comparado ao Google Reader (Agora deve ficar melhor), o +Videos é bem mais intuitivo que Uploader do youtube (são integrados os dois) e por vai.

    Google+ é uma front-end para os serviços do Google. A parte social é um detalhe. Você pode usar normalmente os serviços do Google+ e ignorar a parte social, que diferente das outras redes (Facebook principalmente) chega até você mesmo sem você querer (malditos convites)

  13. Ibraim disse:

    Esperar pra ver como vai ficar… Gostava quando o Google dava mais valor a simplicidade.

    Além disso, vejo que um tremendo equívoco se forma em torno do Google+. É uma junção de boas ideias com ideias ruins que no fim das contas estragarão até o que tem de bom. E o que eu pensava que seria, que era a uniformização e a intetração das principais ferramentas, com tudo que tem de bom nelas, parece que não vai acontecer.