Primeiras impressões do Windows 8 Developer Preview

A Microsoft apresentou o Windows 8 Developer Preview durante o esperado evento BUILD Windows, que começou ontem, no estado da Califórnia, Estados Unidos — e teve cobertura ao vivo pelo Gemind. Para os mais curiosos, já era possível fazer o download do Milestone 3 do Windows 8 poucas horas após o término do evento, às 21h no horário de Brasília. Confira as nossas primeiras impressões sobre o sistema!

Instalação

Após o download da edição de 64 bits sem ferramentas de desenvolvimento, reservei algumas horas para brincar com o novo Windows no desktop. Primeiramente, instalei o Windows 8 em uma máquina virtual no VirtualBox, que se mostrou bastante estável, apesar de ainda estar em estágio inicial de desenvolvimento.

O maior problema de instalar o Windows 8 em uma máquina virtual é a resolução de tela: se for menor que 1024×768, os aplicativos com interface Metro simplesmente não são executados. Você vê a start screen, clica no programa e… nada. Dá duplo-clique e… nada também.

Instalação do Windows 8 Developer Preview

Instalação do Windows 8 Developer Preview

Pouco tempo depois, o Windows 8 Developer Preview foi instalado no disco rígido do computador, para aproveitar todo o potencial do sistema. A instalação, a partir de um DVD, durou menos de 20 minutos e, assim como no evento da Microsoft, o sistema não apresentou lentidão e pareceu até mais rápido que o Windows 7 instalado em dual boot. Todos os drivers foram instalados automaticamente. A configuração do desktop é a seguinte:

  • AMD Phenom II X4 955 Black Edition (3,2 GHz);
  • 4 GB de memória DDR3 1333 MHz em dual channel;
  • Placa de vídeo ATI Radeon HD 3300 (integrada);
  • HD Seagate Barracuda 7200.12 320 GB (utilizado pelo sistema) e Western Digital Caviar Green 500 GB, ambos SATA2;
  • Gravador de DVDs Samsung SH-S223C.

Primeira inicialização

Logo após a instalação, uma horrível tela verde — deve ter agradado os palmeirenses, pelo menos — é apresentada e permite que o usuário configure as opções básicas do sistema: nome do computador, atualizações do Windows Update, compartilhamento de arquivos e… Live ID!

Após digitar e-mail e senha (ou criar uma conta, se você fizer parte do grupo de 0,02% da população que não possui conta no Windows Live :-P), a Microsoft envia um e-mail confirmando a inclusão do seu computador como “PC confiável”, o que facilitará a redefinição de senha dos serviços Windows Live, em caso de esquecimento.

Windows 8 solicita usuário e senha do Live ID, além de registrar a máquina no Windows Live

Windows 8 solicita usuário e senha do Live ID, além de registrar a máquina no Windows Live

Start screen

A start screen é uma das maiores novidades e substituiu o menu Iniciar do Windows, fato que desagradou muita gente que estava acostumado com o menu clássico para iniciar programas e abrir pastas. É possível reverter a alteração da Microsoft com uma dica do Gemind.

Apesar de a experiência de uso da start screen não parecer tão fantástica com mouse e teclado, dá para brincar legal com a interface imersiva e seus aplicativos com visual Metro, muito semelhante ao estilo do Windows Phone 7.

Busca na start screen

Busca na start screen

A busca por aplicativos e arquivos do sistema continua muito fácil: basta começar a digitar alguma coisa na start screen e o Windows procura o seu programa. Para abrir o Paint, é só digitar “paint” e dar Enter. Os resultados agora são divididos entre programas, arquivos e configurações, ao invés de exibir tudo no mesmo espaço, como no Windows 7 e Vista, o que deve deixá-la mais eficiente para tablets, que possuem resolução e espaço limitado na tela.

Aplicativos com interface Metro

Muitos dos aplicativos em Metro são claramente direcionados ao pessoal com tela sensível a toques: piano, Cooper (jogo que pede até movimento de “pinça” com os dedos) e InkPad (bloco de notas com anotações a mão) são apenas alguns exemplos. Com a utilização intensiva de recursos de toque na tela, certamente teremos uma diminuição no preço de touchscreens para desktops — e, aí sim, vai ser bem legal mexer no Windows 8.

Movimento de pinça com mouse, como faz?

Movimento de pinça com mouse, como faz?

No piano, você toca e aprende até Beethoven e Mozart

No piano, você toca e aprende até Beethoven e Mozart

Aplicativo de RSS mostra notícias de uma forma bem bonita, mas não deve ser muito legal para pessoas que assinam dezenas de sites...

Aplicativo de RSS mostra notícias de uma forma bem bonita, mas não deve ser muito legal para pessoas que assinam dezenas de sites...

Painel de controle e Internet Explorer

O Painel de controle básico do Windows 8 possui os principais comandos para o usuário final. Fornece ferramentas para trocar o plano de fundo da lock screen (que aparece logo após a inicialização do Windows), criar um grupo de rede doméstico, exibir as redes sem fio disponíveis e até trocar sua senha do Live ID. Para configurações mais avançadas, o painel de controle clássico também está disponível.

Painel de controle do Windows 8

Painel de controle do Windows 8

A maior novidade do painel de controle certamente é a “formatação” do Windows… sem formatação. Estranho, mas bem funcional. Duas opções estão disponiveis. O “Refresh” mantém seus arquivos, mas volta todas as configurações do sistema operacional aos valores originais. O “Reset”, segundo a Microsoft, pode ser utilizado antes de doar seu computador a alguém, removendo todos os seus arquivos pessoais do sistema operacional.

Outro aplicativo que ganhou versão com visual Metro foi o Internet Explorer. A barra de endereços e navegação fica na parte de baixo da tela e, durante a leitura de uma página, não é exibida, deixando o site em tela cheia. Muito útil para ler um texto em concentração total. O lançamento de versões com o mesmo visual pelos concorrentes é muito bem-vindo.

Internet Explorer 10 imersivo no Gemind

Internet Explorer 10 imersivo no Gemind

Interface Pro (“clássica”) do Windows 8

Na interface clássica do Windows 8, as alterações visuais ainda são praticamente nulas em relação ao Windows 7. Além do sumiço do “Windows orb”, que abria o menu Iniciar em versões anteriores, temos um aumento no tamanho dos títulos das janelas, que também ganharam cor mais sólida nas bordas — tão sólida que, de início, pensei que a Microsoft havia removido totalmente a transparência.

Uma grande mudança no visual é a do gerenciador de tarefas, que ficou muito bom. O aplicativo que antes só servia para matar processos travados ou reclamar do consumo de memória dos navegadores, agora possui informações anteriormente exibidas apenas no Monitor de recursos em versões passadas.

Novo Windows Task Manager também mostra informações básicas do processador

Novo Windows Task Manager também mostra informações básicas do processador

Na nova versão do gerenciador de tarefas, é possível remover programas da inicialização do Windows sem abrir o msconfig, gerenciar os serviços do Windows e até verificar a quantidade de dados que um programa utilizou. Em um país onde existe banda “larga” popular com franquia de 300 MB, o recurso é bem interessante.

O Windows Explorer também ganhou Ribbon, interface utilizada nas versões 2007 e 2010 do Microsoft Office. Em desktops, onde todos utilizam teclas de atalho no teclado ou, na pior das hipóteses, botão direito do mouse, não há muito sentido em clicar no botão “Copy” ou “Paste”, mas o recurso certamente será útil para telas touchscreen — afinal, não podemos esquecer que o Windows 8 é um sistema operacional “dois em um”.

Felizmente, é possível ocultar a Ribbon e deixar o Windows Explorer como ele era antes — em dez horas de utilização do sistema, não cliquei nos botões de comando nenhuma vez.

Windows Explorer agora tem interface Ribbon

Windows Explorer agora tem interface Ribbon

Conclusões

Apesar de ainda nem ter chegado ao estágio beta de desenvolvimento, o Windows 8 já mostra-se bastante estável e rápido, herdando o bom desempenho do Windows 7. O sistema, claro, não consumiu apenas 281 MB de RAM como no evento — aqui, inicia consumindo cerca de 700 MB. No entanto, algumas falhas podem irritar o usuário e denunciam o fato do novo Windows estar bem verde, em todos os sentidos.

Em uma das reinicializações, o sistema inexplicavelmente não exibiu a start screen: foi necessário desligar o computador no botão físico. Além disso, pelo fato de a interface imersiva ser pensada principalmente para tablets, que possuem botão físico de liga/desliga, a tarefa de desligar o sistema torna-se um pouco complicada: o botão de desligar ou reiniciar o Windows só está disponível na tela de login. Sendo assim, é necessário fazer logoff primeiro para só depois desligar o computador (?!).

Outro ponto que merece atenção é o boot. Com dual boot, o Windows 8 é inicializado primeiro e mostra uma tela de seleção de sistema operacional – com suporte a mouse e até reinstalação do Windows, recurso bastante útil, especialmente para os usuários iniciantes.

Para iniciar outro sistema, como o Windows 7, o computador é reiniciado (aparece até o POST da BIOS) e a tela de boot do Windows 7 é exibida, como se o Windows 8 não existisse. O processo é tão estranho que, da primeira vez que fiz, achei que o novo Windows havia se auto-destruído.

Com as recentes mudanças de outros sistemas operacionais, como Ubuntu e Mac OS X, que ganharam interfaces pensadas para tablets, o Windows está seguindo o mesmo caminho. Existem muitas alterações legais e uma coisa é possível ter certeza: a Microsoft está pensando grande no Windows 8. Sem dúvida alguma, é a maior inovação desde o Windows 95. Se o developer preview já está assim, a versão final certamente trará muitas surpresas.

Marcados com: , ,
Publicado em Notícias
16 comentários sobre “Primeiras impressões do Windows 8 Developer Preview
  1. Gutierrez PS disse:

    “o botão de desligar ou reiniciar o Windows só está disponível na tela de login”, aqui, apareceu na ‘sidebar’ Settings do Iniciar. http://img35.imageshack.us/img35/8944/shutdownp.jpg

  2. Cara eu gostei da interface metro.
    Algumas coisas ainda estão confusas.

    Onde desligar, também achei como o Gutierrez falou. Mas assim .. haja clique ..

    É uma interface para dispositivos que nunca são desligados .. simples.

    Uma coisa que estão me matando… estou QUASE desinstalando o Windows 8 é o bendido botão de iniciar.

    Façam o teste. Abram algo em full screen, passem o mouse la em baixo onde ele costuma estar e cliquem, irá abrir a start screen.

    Ou seja mesmo em full screen se passa o mouse ali ele abre.

    Não quero isso .. quero clicar para ele abrir, só passaro mouse n pode abrir um menu, ainda mais em full screen.

    Estou jogando jogos de estrategia e o mini mapa fica exatamente ali, consegui minimizar o jogo uma dezena de vezes durante uma partida. FUuuuuuuuu…

    UAHAUh brincadeiras a parte, acho que é um sistema que tem tudo para dar certo. Mas não vai ser tão esmagador em conquistar tablets e Phones como é no desktop.

  3. Vai ser legal pra ver a guerra Android vs iOS/Mac vs Windows.

    Sou adepto do Android, mas essa interface Metro… aaaah, me dá vontade de ter Win Phone 7, Windows 8, a zorra toda…

    PS: Essa análise é do Ghedin ou sua Higa?

    • Paulo Higa disse:

      Estamos gravando o Gemcast neste exato momento, Thiago. Sobre a autoria da análise do Windows 8, eu respondi a sua pergunta no próprio podcast. :-P

      • OK, falando em Gemcast, eu ainda não ouvi os outros, já tá na hora né? :)

        Como sugestão quero deixar a ‘evolução’ do próprio Gemcast: em vídeo. Seria legal ver vocês, por exemplo, mostrando e falando das vantagens e desvantagens de Android, iOS e WP7 (se der né), nunca vi alguma análise do WP7 em português, e ainda falando sobre os outros também seria ainda melhor (se fosse Ice Cream, iOS 5 e Mango melhor melhor ainda :P)

  4. Acho que não terá muito jeito da interface metro se adaptar ao uso com mouse, porque o mouse é apenas um ponteiro, tablets são vários dedos e o ato de arrastar é muito mais natural em telas sensíveis ao toque do que em mouses.

    Já para tablets o Windows 8 deverá ser um divisor de águas. Ele é o único sistema desenvolvido pensado em tablets. O iPad só é hegemônico porque dispõe de ótimos aplicativos e concorrentes muito fracos. Ele continua sendo um “iPhonão” em muitos casos.

    O trackpad da Apple deveria ser expandido para o universo Windows. O OS X Lion que iniciou essa fusão dos sistemas aproveita-se muito desse recurso para deixar mais similar a experiência entre tablets e computadores.

  5. Luiz Alberto disse:

    Estou tomando uma surra pra me acostumar com a nova interface, fazendo omáximo pra não usar a Pro. Mas eu sou fâ da Metro UI, e me acostumo logo.
    Realmente usar a Metro com Mouse não é exatamente uma boa experiencia, mas já estou me adaptando. Alternar aplicativos “puxando” eles pela esquerda tá ficando natural pra mim.
    Senti falta de uns atalhos de teclado pra fazer algumas coisas. Fica a dica pro Gemind fazer um listão com atalhos de teclado do windows 8. ;)
    Hoje meu dia foi corrido no trabalho e não deu pra fuçar muito. Não instalo em casa ainda pq uso o pc com outras pessoas, então fica só no serviço mesmo. :P
    Pior é ainda ter que vencer um Proxy do trabalho. xD Alguns apps não funcionam com proxy, mas já era assim no W7…
    Uma semana e já devo estar Craque no windows 8. =D

  6. Matheus disse:

    O sistema aloca uma porcentagem “fixa” da RAM. Limitando para somente 1GB, o sistema inicia consumindo só 300MB. Pois bem, estou testando e gostei do que vi.

  7. Rafa Yazigi disse:

    Windows 8 é muito bom! o Pré-Beta dele já está bem estável na minha máquina. Vi muitos falando sobre a tela azul com carinha feliz, outros dizendo que estava lento, mas aqui nada deu problema. Meu HP Probook ficou foi feliz, pq está tudo mais rápido. Photoshop e illustrator instalaram tranquilamente. Meu sKype só abre e continua pela Metro. De resto já vi como organizar a metro e como tirar o que vai para lá quando se instala um determinado programa. O botão iniciar faz falta demais e se alguém souber como fechar um aplicativo, por favor, me diz ai. Já encontraram algum site que fala sobre atalhos e coisas novas? Vi um comentário acima dizendo para criar um texto sobre atalhos e eu contribuirei se fizerem.

    Parabéns pelo site, muito bom…

    • Luiz Alberto disse:

      O único jeito que encontre de fechar programs é pelo gerenciador de tarefas. Tem algum atalho de teclado pra abrir o gerenciador de tarefas?

  8. Rafa Yazigi disse:

    Luiz, aqui o ctrl alt del ainda funciona…
    mas deve haver algo mais prático…rsrsrs
    beeeem escondido.

    abraço

  9. sheiton disse:

    Amigos, instalei aqui em outra partição sem problema nenhum.
    O problema foi que ele consegue detectar todas as redes sem fios disponíveis na minha área, menos a minha!
    Só consegui conectar através do cabo ethernet.
    Alguém tem alguma idéia do que seja?