Gemcast #028: Instagram, Rdio, 4G e Google+

Gemcast em novo dia e horário, a partir de hoje sempre aos domingos por volta das 15h30. Eu (Rodrigo Ghedin), Paulo Higa, Rafa Silva e seu cachorrinho que não para de latir nos reunimos para explicar o porquê dessa mudança e falar sobre Instagram no Android e Facebook, das dificuldades de se comprar um celular bacana no Brasil, Rdio, Netflix, 4G no Brasil e a nova interface do Google+.

O que MAIS muda no Gemcast?

Além do dia e horário, mudamos um pouco a edição. Agora o papo é mais “cru”, sem tanta edição. Em parte porque facilita muito a produção (esse eu editei em 60% do tempo relativo aos programas anteriores), em outra parte porque achamos que a conversa fica mais natural. De qualquer modo, cabe a você, caro ouvinte, dizer se ficou bom ou ruim.

E aqui entra outra mudança: não é preciso mais cadastro para comentar os posts dos programas. Por isso, não teremos mais formulário aqui, no post; quer mandar um recado? Simplesmente comente. Faremos uma alteração no layout, adicionando um disclaimer sobre isso. O objetivo é facilitar a interação.

Feedback, como sempre, é bem-vindo. Espero que curtam essa nova fase do Gemcast tanto quanto curtimos começá-la ;-)

Marcados com: , , , , , ,
Publicado em Gemcast
10 comentários sobre “Gemcast #028: Instagram, Rdio, 4G e Google+
  1. Quem cuida dos padrões 4G é a ITU-T, mas é complicado regulamentar o 4G em uma frequência só porque ao contrário do WiFi/BT e afins, que funcionam em “frequência não regulamentada”, elas precisam de licença de alguma agência reguladora (Aqui, a Anatel).

    Aqui, por exemplo, algumas operadoras (Vivo, TIM e Nextel) já usam a frequencia de 2100Mhz para 3G – daria pra migrar isso para 4G só daqui a alguns anos, quando a rede 3G entrasse em desuso.

    Isso só no Brasil. Cada país tem suas particularidades e isso dificilta uma padronização das frequências.

  2. Vegetando disse:

    Um aparelho com ótimo custo-benefício é o Sony Ericsson Live with Walkman. Tem processador de 1 GHz, GPU Adreno 205, 512 MB de RAM, câmera traseira de 5 MP, câmera frontal (rara em low-end), suporte a USB OTG, já vem com o Android 2.3 e a Sony (internacional) já falou que ele receberá o Android 4. O preço geralmente fica abaixo de R$600 (já vi sendo vendido novo por R$450).

    Há, contudo, duas “pegadinhas”:
    – O tela não é a ideal, tem tamanho de 3.2” com resolução 480×320;
    – O armazenamento interno é limitado, com 320 MB, mas tem slot para cartão que pode compensar.

    Quem quiser escapar delas, pode pagar cerca de R$700 no Sony Ericsson Xperia Neo V para ter as mesmas vantagens, mas com uma tela melhor (3.7” com 800×480 ) e mais armazenamento interno (1 GB).

    (er… Não, não recebi nada da Sony por essa propaganda :P)

    —-

    Sobre o podcast, em alguns poucos momentos achei que ficou meio silencioso ou com conversa que poderia ter sido cortada (ex.: parte em que a voz do Ghedin ficou ruim). Isso não mata o podcast, mas senti que podia ser evitado por ter sido relativamente longo. De modo geral, foi bom de ouvir e gostei da mudança do dia de publicação.

  3. Kadu Gaspar disse:

    Tá na hora de atualizar o about do Gemind
    (http://www.gemind.com.br/sobre/)

  4. Leon disse:

    Olá, pessoal!
    Longe de querer criticar o Gemcast, acho que gostei menos dessa versão que das anteriores. Eu posso estar enganado, mas acho que senti um certo desânimo da equipe para seguir adiante e abordar todos os temas propostos. Além disso, na minha opinião, o Gemcast e o Podcast do Tecnoblog eram bem diferentes – até essa versão. Sigo e gosto muito dos dois, cada um com suas peculiaridades, mas preferiria o Gemcast como era antes do que o novo modelo. Ouvi o TB Podcast no sábado e o Gemcast no segunda de manhã, e senti que os assuntos foram bem similares, e a abordagem idem. Não quero criticar negativamente ou desanimar a equipe – por favor, continuem fazendo podcasts! Eles são a minha alegria no ônibus ;) – mas senti que essa edição deixou a desejar.
    Grandes abraços!
    Leon

  5. @guirodr disse:

    Não sei se sou só eu que to percebendo isso, mas to sentindo um desânimo geral em relação ao Gemind, desde quando virou Gemcast. As coisas tão largadas, parece que todo mundo se acomodou. Eu sinceramente acho que se continuar desse jeito a gente vai receber a qualquer momento a notícia de que o Gemind morreu de vez. Antes nos Gemcasts tava todo mundo focado, dando o seu melhor, a gente sentia isso. Mas de um tempo pra cá parece que tá mal feito, como se fossem obrigados a fazer. Sem contar que eu achei um descaso com a galera fiel do Gemind quando não avisaram desse hiato de duas semanas que teve.

    Enfim, não quero criticar por criticar, tô dando minha opinião e esperando que o Gemind volte com o fôlego e a graça das antigas.

    Se cuidem. <3

  6. @ricksan disse:

    Estou em um dilema a respeito de streaming de músicas faz um tempinho… Como o grooveshark ta mais pra lá do que pra cá com esse monte de processos, estou testando os outros serviços para uma futura troca, (spotify, pandora, Rdio) mas nenhum me ofereceu a facilidade e a variedade que encontro nele… Usei o trial do Rdio e achei beeem fraquinho, agora com essa atualização vou testar o mesmo novamente e ver se melhorou alguma coisa… o unico serviço que esta atendendo minhas necessidades no momento continua sendo o grooveshark. Nele encontro todas as músicas que procuro (nacionais ou internacionais) e funciona que é uma beleza (nem tenho mais MP3s no computador, já vai fazer mais de um ano), mesmo sendo ‘ilegal’. Also, como os amigos acima senti uma grande diferença na qualidade da edição do cast… eu até prefiro uma edição mais ‘crua’ (um bom exemplo são os podcast do giantbomb, lektronik ou até mesmo o ‘drops’ da revista Info), mas tem alguma coisa faltando ai…

    Abraços e continuem com o bom trabalho!

    • danilo disse:

      De todas as opções disponíveis por aqui ainda acho o Rdio a melhor. Tanto pelo custo como pelo acervo. Tem um tal de Soundtrackr também, é meio fraco, mas de graça e só com músicas licenciadas. Dê uma pesquisada depois ;)

  7. Vagner Aniceto disse:

    Eu preferia o formato antigo, mais editado. A mudança de dia pra mim ficou legal.
    []’s

  8. Ronaldo disse:

    Comprei o Galaxy W “1.4 GHz”, e me arrependi… A memória RAM dele é 512 MB, mas tem uma memória interna, que age como SD externo(diretório /sdcard), e não dá pra instalar os apps no cartão SD real (diretório /sdcard/external_sd) 32 GB que comprei… Se escolher para instalar os apps no SD, ele manda pra memória interna de 2Gb. Tenho o Dropbox (com mais de 4GB) instalado e os arquivos sincronizados só podem ser guardados nessa memória interna. Resultado: o cartão SD 32GB só serve pra armazenar fotos e músicas, não serve pra sincronizar arquivos do Dropbox. E o Galaxy W “engasga”, mas “engasga” muito.. qdo fecho um programa e vou para a tela inicial demora uns 5 a 10 seg pra aparecer os ícones… e até pra fazer a ligação qdo se clica no ícone da foto do contato na tela inicial demora. E a câmera no Google Plus Hangout não funciona… Comprei porque roubaram meu Optimus Black de 1 GHz e achei o Optimus Blach mais rápido…

  9. Leandro Mariano disse:

    Olá,

    valeu pela dica do celular dada no podcast anterior, mas o comentário do Ronaldo acima me deixou meio cabreiro… vou procurar mais reviews pela internet.

    Dando um feedback sobre o novo formato do podcast (espero que seja uma crítica construtiva) eu achava o formato anterior mas dinâmico e divertido. Nesse podcast transpareceu um clima meio deprê. Não sei se foi pela falta de edição ou pela falta das gargalhadas da Lú Freitas e dos cometários do Joel. Gostaria de ouvir um podcast nesse estilo com a “equipe alpha” (Ghedin, Higa, Lú e Joel) pra ver como ficaria…

    Boa sorte a todos,
    Leandro